A sociedade de maneira abrangente já assumiu o comércio eletrônico como um novo meio pelo qual se faz negócios.

Uma definição técnica de e-commerce é dada por Alvares de Lima (2015, p. 11): ”varejo digital que possui características próprias, mais complexas que o simpes ato de comprar e vender de uma loja física, pois além de envolver o meio digital na compra não presencial, a transação conta com o serviço de entregar a mercadoria adquirida no local e na data combinada”.[1]

Assim o e-commerce é uma loja online própria, exclusiva da sua marca, onde o investimento inicial é próprio, sendo responsável pela contratação da plataforma, ferramenta de pagamento e toda a estrutura, bem como por todo marketing, o qual é fundamental para sucesso da loja online.

Quanto as formas de pagamento, as quais não param de evoluir, em especial no comercio eletrônico. Débito automático, cartão de credito e débito, boleto bancário, intermediadores de pagamento, Dotz, Bitcoins, carteiras digitais. Entretanto, para implementação todas essas opções de pagamento no e-commerce, existe custo.

Nas plataformas de e-commerce pura e simples a segurança é fundamental para o sucesso e para possíveis prejuízos financeiros e jurídicos, visando garantir que os dados dos consumidores não sejam roubados.

[1] ALVARES DE LIMA, Gabriel. Comércio Eletrônico: Melhores Práticas do Mercado Brasileiro. São Paulo: Ed. ComSchool, 2015. p. 11.